clássico

O Mágico de Oz

17616090Mais um da coleção de clássicos em bolso de luxo da Zahar e, como Peter Pan, que li na semana passada, a edição é linda de morrer. Capa dura (e com uma ilustração muito bonita; digo, olha só, a pose da Dorothy me faz rir), bem impressa e, dessa vez, com ilustrações e uma curta introdução sobre a vida do autor e motivação por trás da obra em um prefácio de algumas páginas. Tudo bem cuidado, e me convenceu a quem sabe vir a fazer a coleção completa. Ainda estou tomando coragem para também adquirir O conde de Monte Cristo, que é bem longo e, por esse motivo, bem salgado na questão do preço. Quem sabe um dia?

O Mágico de Oz me era um mistério. Era um daqueles clássicos da literatura infantil que eu conhecia muito, muito por cima – ainda mais superficialmente que Peter Pan porque, se eu cheguei a assistir a alguma adaptação, foi há tanto tempo que mal me lembro. Sabia dos personagens, de Dorothy e seu cão, dos seus amigos e da antagonista, e também da grande revelação (graças à Torre Negra. Muito obrigado, Stephen King), mas meu conhecimento sobre ordem de acontecimentos, tom da história e algumas partes finais era essencialmente nulo. Então, quando este livro chegou às minhas mãos, eu não tinha muito o que esperar.

Às vezes, até prefiro assim. Ao contrário de Peter Pan, fui poupado de ficar comparando o original às adaptações, e achei isso bem positivo. Apesar do comparar do outro livro ter me atentado a alguns elementos sobre adaptação e cultura, este aqui me foi mais “fresco” justamente por eu não criar expectativa alguma. E acabei gostando mais do que o outro livro, mesmo sendo este com um tom mais leve e, digamos, “normal”. (mais…)

Peter Pan

PeterPan_bolsoQuem nunca viu uma adaptação de Peter Pan? Não é como se faltassem opções: o desenho da Disney, os filmes em live-action (e suas enésimas continuações e refilmagens), peças de teatro, livros baseados em adaptações, livros ilustrados. Como qualquer clássico infantil, esta é uma história cheia de fontes a jorrar e versões para escolher. É sempre interessante ler ao texto original, o que deu origem à toda a mitologia, e esta oportunidade nos é trazida por essa edição do clássico.

A proposta das edições “luxo de bolso” da Zahar traz justamente à tona estas histórias, com texto integral, um prefácio bonito, capa dura e um projeto gráfico fenomenal. A Cláudia comprou essa edição que encontrou nas livrarias por um preço bem camarada e, após a sua leitura, a própria lindeza do livro (devo ressaltar que adorei a capa) me atraiu para logo em seguida fazer a minha leitura, que terminei hoje.

O prefácio do livro fala um pouco do que acabei de citar: das adaptações, da origem da história, e um curto texto sobre a vida do autor. Qual não é a minha surpresa que a história deste livro – originalmente chamada apenas de Peter e Wendy não é a primeira história na qual o protagonista homônimo ao livro aparece, mas que este já fez parte de uma historinha anterior,  The Little White Bird. O prefácio foi resumido para a edição de bolso (a Zahar mantém também uma edição grande, de luxo, ilustrada e comentada), mas já inova em me contar que  texto em minhas mãos, a origem do clássico, não é bem a origem origem do clássico, mas ainda um texto anterior e relativamente desconhecido. Para alguém que quer ler e descobrir mais sobre a história, começamos bem. (mais…)