The Three Stigmata of Palmer Eldritch

Three Stigmata of Palmer Eldritch, TheEste é um dos livros considerados mais clássicos de Philip K. Dick (junto com Androides sonham com ovelhas elétricas? O homem do castelo alto), e foi lançado aqui no Brasil pela editora Aleph como Os três estigmas de Palmer Eldritch. É uma experiência de leitura fluente, que me remeteu a outro livro do autor, Ubik, por alguns elementos no enredo e pela experiência de leitura. Ambas me animaram mas me deixaram pensativo, ambas trabalham principalmente as diferenças entre a realidade, o simulacro, e nossas percepções. Entretanto, são livros diferentes, com temáticas diferentes, e Palmer Eldritch é um de seus primeiros a explorar a temática religiosa cristã.

Em um mundo extremamente quente, onde as pessoas vivem com ar condicionado e não podem ficar muito tempo expostas ao sol (não muito diferente do Rio de Janeiro de 2010), o planeta está quase superpopuloso e o governo terrestre manda pessoas para emigração compulsória aos outros planetas do sistema solar. Os colonos devem viver em barracos apertados e sem muita privacidade, e o único alívio que encontram para seu suplício é a droga Can-D, que faz com que sejam “traduzidos” e tenham suas consciências transportadas para uma casa de bonecas. Incorporam o “layout” da casa de bonecas e podem, por um tempo indeterminado, viver a vida ideal, de volta a uma Terra agradável e se esquecendo das preocupações do mundo.

Neste contexto aparece Palmer Eldritch, um antigo executivo que está de volta de uma viagem de dez anos ao sistema estelar vizinho, Proxima. E ele traz uma nova versão da droga, Chew-Z que, além de ser legalmente sancionada e ter um preço menor, supostamente trará uma sensação diferente: você será transportado para um mundo novo, mas similar, como um simulador do pós-morte ou uma ressurreição. Acompanhamos a história de alguns personagens relacionados de perto ao dilema: Leo Bulero, diretor da empresa Perky PatLayouts, que constrói os “cenários” para os quais Can-D leva os colonos, onde tudo é minimizado. Barney Mayerson, precog de Nova York, com o poder psíquico de prever o que se tornará moda no futuro ou não, e assim escolher o que será “minimizado” para os layouts; entre outros.

It takes a certain amount of courage, he thought, to face yourself and say with candor, I’m rotten. I’ve done evil and I will again. It was no accident; it emanated from the true, authentic me. (p. 92)

Palmer Eldritch é conhecido por ser o livro da LSD por excelência. Durante diversos trechos, tanto os personagnens quanto o leitor, limitado à perspectiva dos personagens sobre os acontecimentos, terão dúvidas sobre o que é realidade, o que é alucinação – e se as alucinações, a “viagem” dos personagens, não tem algo a mais. As viagens do Can-D são bem centradas e fáceis de se perceber: estamos nos layouts da Perky Pat, temos os personagens bem delimitados. Entretanto, Chew-Z nos leva ao mundo de Palmer Eldritch, onde o executivo manda e desmanda como Deus. Sob os efeitos da última droga, passamos a perceber o mundo de outra forma; será que estamos tendo uma mera experiência de alucinação ou um contato com algo mais grandioso? Similar a uma experiência religiosa, e comparado a tal pontualmente, principalmente mais próximo ao fim do livro.

Below lay the tomb world, the immutable cause-and-effect world of the demonic. At median extended the layer of the human, but at any instant a man could plunge – descend as if sinking – into the hall-layer beneath. Or: he could ascend to the ethereal world above, which constituted the third of the trinary layers. Always, in his middle level of the human, a man risked the sinking. And yet the possibilty of ascend lay before him. […] Hell and heaven, not after death but now! (p. 60)

palmer-eldritchDiálogos sobre ontologia, a natureza de Deus e das experiências religiosas, as definições de um inferno, e a sua pessoalidade ou não, são elementos mais místicos que começam a habitar o romance. Já podemos ver um foreshadowing para os temas que mais tarde se tornarão livros como VALIS ou The Divine Invasion. Entretanto, este livro ainda se diferencia deles em sua maior leveza. O conteúdo filosófico é diluído e fácil de mastigar. A leitura do livro não é difícil, apesar da paranoia: Se o que estamos lendo agora é mais uma alucinação, parte da experiência de Chew-Z; se Chew-Z causa alucinações ou algo diferent; se Palmer Eldritch está por perto, se é onisciente, e sobre quem afinal é Palmer Eldritch. Talvez manter algumas questões durante a história confundam a cabeça do leitor, principalmente a respeito da natureza da experiência da droga, que de tempos em tempos recebe uma nova definição. Não obstante, este está mais para livros como Ubik O homem do castelo alto do que está para VALIS em quesito fluidez da experiência.

Infelizmente não tenho como explorar um pouco mais os temas da história sem dar spoilers que possam acabar com a surpresa em potencial de alguém. Então abro um parênteses aqui:

ABAIXO COMEÇAM OS SPOILERS.


Continuando a ler? É sempre bom ter a experiência completa. O estado de Palmer Eldritch como figura quase-Deus fomenta o diálogo ontológico no final da história, entre a neo-cristã Anne Hawthorne e Barney Mayerson, já morando como colonos em Marte tentando fazer deste planeta um lugar melhor. Quem sabe, construir uma vida. Vemos mais uma vez o elemento potencialmente religioso na criatura que possuiu o corpo de Palmer: algo mais velho do que qualquer humano possa imaginar; simplesmente não temos a perspectiva necessária. Lembra um pouco os horrores cósmicos de Lovecraft,e  talvez daí venha o “Eldritch” de seu nome, na intenção do autor.

Maybe that’s the source of its knowledge: not experience but unending solitary brooding. (p. 172)

Os pensamentos de Barney são dignos de nota: e se Deus, existindo, não do jeito que imaginamos e de um jeito que não temos como compreender completamente, tentasse fazer este contato? Ele quer nos ajudar, assim como tentou ajudar a Mayerson, e inclusive o poupou no final, mas não entende muito bem como o fazer? No final, ele tem a ideia de se tornar cada pessoa em Marte; possuir e guiar uma civilização, como uma mente coletiva, um inconsciente (ou consciente) popular. Mas, mesmo assim, muda de ideia na última hora e poupa a vida de um ser humano, por mais insignificante que ele fosse.

3estigmas_frente_alta (1)Mas Hawthorne dá outra interpretação: ele pode ser uma criatura, não o Criador. Se Deus é onipotente, a Coisa-em-Eldritch seria não mais que uma criatura infinitamente superior à humana, talvez mais próxima do divino, mas ainda não completamente lá. E talvez ela possa servir como um intermediário, mesmo com seu plano não dando certo. E o que acontecerá quando o corpo terreno de Eldritch ser dizimado pelos raios da nave de Leo? Não temos como saber.

Aquela criatura tocou a muitos – deixou um pedaço de si com eles. A Coisa-em-Palmer disse que sua marca irá desaparecer com o tempo. Mas seus três estigmas mostram aqueles que talvez nem tenham experimentado o Chew-Z; o processo estava começando. O processo pelo qual a Criatura tomaria posse de todos, e quem sabe o que ela faria? Não parecia malevolente, apsar de sua ambição e a enganação. Não tinha um aspecto malicioso. As poucas páginas que passamos dentro de sua cabeça nos mostra – estava solitário. Depois de eons sozinho, vagando pelo vácuo infinito. Talvez seu plano de assimilar a raça humana, seu único “método de reprodução”, fosse apenas uma maneira de compensar a solidão por um tempo indizível. E quem mais acompanhado do que um consciente coletivo?


Ficha técnica

  • Título: The Three Stigmata of Palmer Eldritch
  • Ano de publicação: 1965
  • Edição lida: Houghton Miffin, 2011. E-book
  • Número de páginas: 188
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s